Coloque, de um lado, toda a curiosidade em torno do anunciado carro elétrico Xiaomi e, de outro, as surpresas que a internet em muitas ocasiões é capaz de proporcionar. A versão não oficial do que foi batizado de Xiaomi Electric Car M1 nasceu dessa curiosa mistura.

As imagens deste criativo sedã chinês apareceram nos últimos dias em uma comunidade (desta vez oficial) da gigante do segmento de eletrônicos, gerando especulações de muitos fãs e irritação dos executivos da Xiaomi, que retiraram as imagens do site. No entanto, as fotos ainda podem ser encontradas no Twitter ou online. Enquanto isso, rumores de planos reais de carros elétricos chegam da China.

Fake, mas lindo

O autor das imagens impressionantes é, claro, um admirador do gigante da alta tecnologia. A projeção, em alta qualidade, mostra um carro que imita em parte um Tesla preto, como se tentasse dar uma sugestão à recém-nascida divisão de carros elétricos da Xiaomi sobre como lançar o desafio na direção da empresa de Elon Musk.

Os interiores são muito particulares, quase futuristas. Na frente do volante, há uma imagem holográfica. O designer imagina também um assistente de voz para o carro que é capaz de rodar 1.000 km com uma única carga de 5 minutos.

 

Chega em 2024?

Sobre a verdadeira criação da Xiaomi, entretanto, não se sabe muito. A divisão EV Inc. nasceu oficialmente apenas nas últimas semanas, a partir de um capital social de 10 bilhões de yuans (cerca de 1,3 bilhão de euros). Tem 300 funcionários, embora venha a contratar mais no futuro, e vai investir 8,5 bilhões de euros em projetos de emissão zero nos próximos dez anos.

No entanto, algo surgiu recentemente e, de acordo com as últimas informações, o carro chegará ao mercado no primeiro semestre de 2024. Depois, será seguido por um modelo a cada ano durante 3 anos, com um total de 900.000 veículos. Todos os quatro modelos serão construídos em duas fábricas diferentes na China: uma a ser adquirida e outra a ser construída.

O primeiro local poderia ser o Borgward's em Miyun Park (Pequim), que tem uma capacidade para cerca de 180.000 carros por ano. O segundo poderia surgir em Hannan, Wuhan. Isso foi relatado por alguns meios de comunicação chineses, citando "pessoas que estão familiarizadas com o assunto".

O carro, muito provavelmente, será autônomo, visto que a Xiaomi investiu 77 milhões de dólares (65 milhões de euros) na compra da startup Deepmotion, envolvida no desenvolvimento desses sistemas. 

Siga o 555brl no Twitter

Siga o 555brl no Facebook

Siga o 555brl no Instagram